Haroldo Saboia

Quando falo trem, um trem atravessa minha boca



Solidão é destino 
Solidão é cenário 
Solidão é palavra

Solidão é procedimento
Solidão é imagem

O dito
O escrito
O visto

O projeto Quando falo trem, um trem atravessa minha boca é um filme realizado na cidade de Solidão localizada no interior do Ceará. Por meio da permanência, do acaso, do deslocamento, da observação,intenta construir um inventário imaginário da cidade. O filme busca dialogar com as artes visuais, com o cinema realista, o gênero do filme-ensaio e com a literatura. A construção do filme curta-metragem Quando falo trem, um trem atraves-sa minha boca propõe a realização de uma experiência. Construir um tempo junto a este lugar-palavra. Como a materialidade de palavra Solidão e a mate-rialidade do lugar ressoa para edificação de um tempo próprio, um tempo de Solidão? Um tempo de espera e isolamento. Neste projeto, no entanto, propus um novo processo em minha produção. Me concentro na ideia de permanência e duração como possibilidade de invenção. Assim, permanência, catalogação, escrita são palavras que compõem as duas instâncias de realização do filme: a viagem e realização; o retorno e a montagem. Este projeto de filme foi realizado com apoio do X Prêmio do Concurso de Videoarte da Fundação Joaquim Nabuco de Recife, diferentemente dos outros dois que não tiveram financiamento. 

60’
4K
3 canais
2020
em finalização